Muita gente se arrepia de medo só em ouvir a palavra “câncer”. E, para os pets, a reação não seria diferente. No Brasil, os tumores de mama são os mais comuns, mas os de pele são os que mais fazem vítimas fatais. O número de afetados aumenta drasticamente no verão, devido à incidência dos raios solares. Mas prevenir é mais fácil – e segue sendo o melhor remédio.

Caes sol câncer de pele

Protetor solar sempre

Assim como os seres humanos, cães e gatos precisam usar protetor solar. “Existem produtos específicos para os animais, mas, se for o caso, pode-se usar o comum”, recomenda o veterinário Eduardo Dornelles. O veterinário ressalta que não é preciso passar o produto por todo o corpo do bicho: nas orelhas, embaixo do focinho e dos olhos já é suficiente. No entanto, a aplicação precisa ser feita com frequência, já que o pet pode acabar lambendo o protetor. “Também é recomendado evitar passeios entre as 10 e 16 horas, quando os raios UV são mais fortes e, assim, mais perigosos.”

 

Cuidados especiais

Algumas raças necessitam de cuidados ainda maiores quando são expostas ao sol já que, além de terem maior tendência ao câncer de pele, também podem desenvolver dermatites no tronco do corpo. Os cães das raças Boxer, Dálmata, Wippet, Stattfordshire Terrier Americano e Bull Terrier são as mais afetadas. Para protegê-las, aplique protetor solar de meia em meia hora nas orelhas, no focinho e, principalmente, no tronco. “Fora isso, gatos com pelagem branca precisam de atenção redobrada. De preferência, não podem ser expostos ao sol”, alerta Eduardo.

 

Tratamento para a dermatite

Para cães que já contraíram dermatite solar, o protetor também funciona como tratamento. Isso porque a doença aumenta drasticamente a sensibilidade ao sol e, em alguns casos, é recomendando até que o animal evite sair na rua. Mas, caso ele precise sair, é necessário aplicar protetor à prova d’água, com no mínimo FPS 15.

 

Escolhendo o protetor certo

Os protetores solares específicos para animais custam, em média, o mesmo que aqueles destinados aos seres humanos. Na hora de escolher um para o seu pet, converse com o veterinário. Animais sensíveis à irradiação solar irão se beneficiar com fatores superiores a 30, enquanto os outros podem usar o fator 15 sem problemas. É importante, também, conferir se o protetor é à prova d’água e de rápida absorção.

 

Já passou protetor solar em seus bichinhos? Eles já tiveram alguma experiência desagradável com câncer de pele? Comente abaixo!

Deixe seu comentário