Cão observando

Doenças respiratórias em cães: quais são as mais comuns?

Em alguns períodos do ano, principalmente no inverno, o clima seco e frio contribui de maneira direta para debilitar a saúde dos cães. Por conta disso, ao sair para passeios ou mesmo dentro de casa, todo cuidado é pouco.

Respiração rápida, superficial e ofegante, desânimo, falta de apetite, tosse seca, corrimento nasal. Caso o seu cão apresente esses sintomas, é possível que ele esteja com alguma doença respiratória.

Quer entender melhor sobre esse assunto e o que você deve fazer para prevenir doenças respiratórios no seu cachorro? Então, continue a leitura e tire suas dúvidas!

Doenças respiratórias em cães mais comuns

Dentre as doenças respiratórias em cães mais comuns, podemos citar:

Tosse dos canis

A traqueobronquite infecciosa, conhecida popularmente como tosse dos canis, é normalmente transmitida quando há uma grande aglomeração de cães.

Dessa forma, cachorros que frequentam com certa regularidade hoteizinhos e canis ou que entram em contato com outros cães em passeios, estão, portanto, mais propensos a pegar essa doença.

A principal forma de contágio é a partir do espirro do animal contaminado. E por conta do sistema imunológico mais frágil, filhotes e cães idosos costumam ser os mais afetados.

Para identificar se o seu cão foi contaminado, basta observar se ele desenvolveu uma tosse seca, sintoma mais comum da doença. Ela acontecerá o tempo todo, independentemente se ele fez alguma atividade física ou horário do dia.

Caso a contaminação tenha sido por meio de um vírus, em cerca de 15 e 20 dias a tosse vai parar por conta própria. No entanto, se for causada por uma bactéria, o veterinário pode ter que prescrever um antibiótico para ajudar no tratamento.

Para prevenir essa doença, é possível vacinar o seu cão. A vacina deve ser dada anualmente, a partir dos 4 meses de vida. Além disso, evite dar banhos em dias frios e deixá-los expostos ao vento e ações do tempo, vestindo roupinhas neles se for necessário. Evite também, sempre que possível, que ele entre em contato com grande aglomeração de cães.

Pneumonia

Assim como para nós humanos, a pneumonia em cães é uma doença perigosa e que pode até levá-lo a óbito quando não é tratada adequadamente. Com facilidade, uma simples gripe pode desenvolver para um diagnóstico pior, o que torna o acompanhamento da saúde do cão extremamente importante.

A pneumonia canina provoca a inflamação dos brônquios e pulmões. Ela também pode ser decorrente de gripes, cinomose e tosse dos cães, e a contaminação pode ser feita por meio de protozoários, fungos, bactérias e vírus.

O ideal para manter a pneumonia longe do seu cão é garantir que ele está se alimentando adequadamente, estando, portanto, em dia com as vitaminas e os nutrientes necessários para que a imunidade dele não seja afetada.

Os principais sintomas dessa doença são: febre, tosse, secreção nasal, perda de apetite e respiração ofegante.

Para determinar o tratamento adequado, o médico vai, primeiramente, avaliar qual foi a forma de contágio. Portanto, para ter um diagnóstico o quanto antes e dar logo início ao tratamento, ao perceber qualquer um desses sintomas, leve o seu cão ao veterinário.

Distrição respiratória

A distrição respiratória em cães é caracterizada pela alteração na capacidade de respiração do animal. Geralmente, acontece quando o oxigênio necessário para realizar a respiração da maneira adequada, ultrapassa a quantidade normal.

Ela pode tanto ser provocada por questões fisiológicas como patológicas. Quando a origem é por questões fisiológicas, ela pode ter sido provocada por um excesso de exercícios. Já, quando se dá por conta de problemas patológicos, isso se deve a problemas para respirar.

Assim como nas outras doenças, logo que o seu cachorro apresentar qualquer alteração no comportamento, é imprescindível levá-lo ao veterinário. Desse modo, a causa para esse problema será identificada e tratada com assertividade, aumentando as chances de cura.

Agora que você já conhece as doenças respiratórias em cães mais comuns e também os cuidados e tratamentos necessários, compartilhe este post em suas redes sociais e divida essas informações com outras pessoas!

Deixe seu comentário