Cuidados com gatos: 5 necessidades do seu felino

Mulher abraçando gato

Mulher abraçando gato

Muitos são os mitos que envolvem os gatos, não é mesmo? Há quem diga que eles não são tão carinhosos quanto os cães, não gostam de tomar banho e que são mais arredios e independentes, mas não se engane.

Só quem realmente tem um felino sabe o quanto eles podem ser dóceis, apegados aos donos e muito interessados na rotina de quem vive no mesmo lugar que ele — apesar de ter os momentos em que gosta de ficar sozinho e fazer as coisas por conta própria.

Está pensando em ter um felino, mas tem muitas dúvidas a respeito? Não sabe quais são os cuidados com gatos e tem medo de não dar a devida atenção a ele? Não se preocupe!

No post de hoje, vamos compartilhar com você 5 necessidades do seu felino que não podem ser deixadas de lado. Confira:

1. Garanta a segurança do pet e evite que ele vá para a rua

Antes de mais nada, se está passando pela sua cabeça adotar um gato, o primeiro passo a ser dado é garantir que o seu lar está devidamente seguro para recebê-lo.

Para tanto, verifique se prateleiras e móveis estão firmes, bem montados, pois é grande a chance de que ele tenha curiosidade em subir nesses locais. Além disso, vai ser preciso ter atenção redobrada com o que fica espalhado pela casa, como objetos pequenos, tóxicos ou cortantes, de modo a evitar que o seu gatinho possa se ferir.

No entanto, a tarefa mais importante a ser feita antes do seu gato chegar é colocar tela em todas as janelas, se possível, inclusive as dos banheiros. Você já deve saber que o gato tem um instinto de caçador e que, muitas vezes, pode tentar escapar e explorar diferentes locais. É imprescindível não permitir que ele faça isso, pois pode se machucar com a queda ou com os perigos da rua.

2. Mantenha a vacinação em dia

Para manter a saúde do pet em dia e reduzir as chances de que ele tenha alguma doença, um dos maiores cuidados com gatos é seguir o cronograma de vacinação ao longo da vida deles.

Quando filhote, ele tomará a polivalente ao completar 60 dias — as doses serão reforçadas aos 90 e 120 dias. Essa vacina será dada novamente anualmente, com apenas uma dose. Já a antirrábica é dada pela primeira vez aos quatro meses de vida e reforçada anualmente.

3. Leve-o com frequência ao veterinário

É muito importante levar o seu pet para se consultar com o veterinário, pois apesar de parecer que está tudo bem, ele pode estar com algum problema assintomático. Além disso, esse profissional poderá analisá-lo com maior cuidado e identificar possíveis problemas genéticos ou questões que os olhos de um leigo não conseguem identificar.

O ideal é fazer visitas anuais — aproveite o mês de reforço das vacinas — em que o veterinário pode solicitar exames para certificar se ele está em boa forma.

4. Assegure a higiene do animal e da casa

Gatos são animais higiênicos e que não gostam de viver em lugares sujos e bagunçados. Portanto, garanta que a limpeza dele e do seu lar estejam sempre em dia. O indicado é que você:

  • troque com frequência a areia da caixa;
  • passe pano com desinfetante nos locais em que ele mais passa tempo;
  • dê banho pelo menos uma vez por mês no pet;
  • corte as unhas do animal e faça a limpeza dos ouvidos mensalmente.

5. Dê uma alimentação de qualidade

Converse com o veterinário e peça que o oriente sobre a melhor ração para dar ao seu gato. Ele saberá quais nutrientes não devem faltar na alimentação do seu felino e o que deve ser feito para compensá-los.

Além disso, faça uma lista de todos os alimentos que eles não podem comer em hipótese alguma, como leite, pães e uva.

Viu só como não era preciso ter tanta preocupação antes de ter um felino em seu lar? Seguindo nossas dicas de cuidados com gatos não vai ter segredo: o seu vai ser muito feliz, saudável e querido!

Quer ter acesso a todas as novidades e tendências sobre o mundo dos felinos e com a facilidade de receber os conteúdos em seu e-mail? Então assine a nossa newsletter e seja o primeiro a conferir as nossas dicas!

Ração para gatos ou feita em casa: qual é melhor opção?

Gato comendo

Gato comendo

Se tem uma dúvida que é recorrente e que aflige muitos donos de gatos é qual a melhor forma de alimentar o animal de estimação: ração industrializada ou caseira?

Pois saiba que não é só você quem lida diariamente com essa questão, já que este é um assunto que chega, até mesmo, a dividir a opinião de profissionais. Enquanto alguns acreditam que a ração para gatos industrializada é a mais indicada, outros preferem que eles sejam alimentados apenas com refeições caseiras.

Para acabar com as suas dúvidas, no post de hoje, vamos listar as vantagens e desvantagens dessas formas de alimentar o pet, auxiliando, portanto, a sua escolha. Confira:

Ração para gatos industrializada: vantagens e desvantagens

As opções são muitas: você vai encontrar opções como a standart, super premium, para filhote e adultos, e até para gatos castrados ou obesos. Além disso, as rações industrializadas podem ser encontradas em 3 variedades: secas, semi-secas e enlatadas.

Alternar entre essas possibilidades é o mais indicado para garantir que ele tenha uma alimentação balanceada e de qualidade. Abaixo, listamos algumas vantagens e desvantagens da ração industrializada.

Vantagens

Uma das principais vantagens que os alimentos industrializados propiciam aos felinos é que eles já costumam apresentar a quantidade necessária de nutrientes para mantê-los com a saúde em dia.

Outro ponto positivo das rações industrializadas é que elas influenciam na longevidade do pet, aumentando os anos de vida e evitando que eles desenvolvam algumas doenças, como as de deficiência nutricional ou problemas osteoarticulares.

Desvantagens

Assim como em relação à higiene, o seu felino vai se mostrar bastante exigente com a ração que vai alimentá-lo. Portanto, o ideal é que você observe qual vai ser do agrado dele.

Para ter certeza de que gosta da ração, ele, provavelmente, vai cheirar o pote, experimentando o conteúdo e analisando a textura. Caso não goste, logo vai se afastar de onde a ração está e não voltará a comê-la.

É importante que você se lembre, porém, que existem diferentes tipos de ração, influenciando na quantidade de nutrientes, vitaminas e demais benefícios para a saúde e bem-estar do animal.

Portanto, ao oferecer uma ração de má qualidade ao seu pet, além de aumentar as chances dele nem chegar perto dela, mesmo que ele goste, pode não propiciar o que ele precisa para se desenvolver.

Refeições caseiras: quando é indicada

Não pense que a refeição caseira servida ao seu gato é a mesma preparada para a sua família. Para que esse tipo de alimentação seja adequada, ela não deve, em hipótese alguma, ser condimentada.

Entre os alimentos que podem fazer parte da alimentação do seu gato, estão:

  • frango e peixe, tanto cozidos como grelhados (fonte de proteína);
  • vegetais;
  • cereais;
  • frutas;
  • leite (caso ele não tenha intolerância à lactose.

Normalmente, essa alimentação é adotada para ajudá-los a se recuperar de alguma doença ou infecção. Para não restar dúvidas, converse com o veterinário do seu gato. Veja a opinião dele e em quais casos ele acredita que a ração caseira é indicada, a quantidade ideal e o modo de preparo — aproveite e leia o nosso post com os 12 alimentos proibidos para gatos.

Este profissional também será de grande ajuda para orientá-lo sobre as melhores rações industrializadas e o quanto é necessário para manter o pet saciado e saudável.

Tirou as suas dúvidas sobre ração para gatos industrializada e refeições caseiras? Então não guarde essas informações apenas para você! Compartilhe este post em suas redes sociais e divida essas dicas com seus amigos que também têm gatos!

Conheça 7 produtos para pet que tornam sua rotina mais prática

Produtos pet

Produtos pet

Um bicho de estimação é uma companhia e uma alegria ao nosso lado. Além de companheiros, ajudam muito a amenizar as tensões da rotina diária de pessoas nas mais variadas idades, do vovô ao netinho. Seja um gato, cachorro, porquinho da índia, ou chinchila, entre outros, o animal precisa de carinho e cuidados. Isso pode ser facilitado com produtos para pet em sua casa.

Neste artigo apresentamos alguns produtos para animais de estimação e seus benefícios para auxiliar no seu dia a dia com seu pet querido. Aproveite e boa leitura.

Garanta a saúde e o bem-estar do seu pet

Um pet necessita de atenção para estar saudável, limpo e feliz. Um veterinário, uma boa higiene e mimos fazem parte desse cuidado. E com o amor que ele recebe de você, o bicho vira o ‘dono do pedaço’.

Brinquedos, petiscos, artigos de higiene e acessórios estão disponíveis no mercado para você escolher e comprar. São muitas opções de produtos para a saúde, a higiene e a diversão nos mais variados tamanhos, especificações, cores e modelos.

Tudo para que o animal viva bem, confortável e faça a festa.

Conheça 7 produtos para pet que você deve ter em casa

Como você adora animais e quer que seu bicho de estimação esteja sempre bem e contente, fizemos uma lista com itens que ajudam nessa tarefa. Confira:

1. Petiscos

Pet adora um agrado.Petiscos é uma ótima opção para satisfazer as vontades do animal. Contudo, atenção para a qualidade desse alimento.Verifique se ele é indicado para o seu peludo, seus ingredientes e nutrientes. Biscoitos é uma boa, por exemplo.

O petisco natural com gengibre e eucalipto é uma indicação para cães.O gengibre auxilia no controle das bactérias na boca do peludo e o eucalipto atua como um descongestionante nasal.

2. Pote de ração personalizado

Uma dica legal para você guardar a comidinha de seu bicho querido, com direito a aplicar uma foto e o nome do fofo ou da fofa.

3. Gel para xixi

O bichinho fez xixi. Você aplica o gel sobre ele e rapidinho o pipi se transforma em pó. Então, é só varrer ou aspirar. Além da praticidade, o gel tem um odor de erva-doce que oferece um aroma agradável ao ambiente.

4. Lança bolinha

Se o seu pet é daqueles que adora uma diversão do tipo “corre e pega”, esse é um brinquedo delicioso.Faz bem para ele e para você.Muitas risadas e muitos afagos acontecerão.

5. Cama em formato de almofada

É uma gostosura. Você encontra em diversos tamanhos, modelos, cores e estampas. O bichinho vai curtir o aconchego e tirar uma soneca.

6. Roupas e acessórios

Roupas, calçados e bijuterias dão aquele toque de charme e fofura aos pets. Ter uma caixa com coleiras, plaquinhas e pingentes, em versões fashion, para repaginar o bichinho antes de sair para um passeio, é uma ótima opção.

E se vai passear, que tal vestir o amigo(a) com aquele figurino elegante e descontraído?

7. Sabonetes e shampoos

Bicho limpinho é tudo de bom. Então, tenha um estoque de sabonetes, líquido ou em barra, shampoos e condicionadores. Além do cheirinho de limpeza, eles combatem pulgas e carrapatos.

Curta seu pet com todo o amor que ele merece

Quem ama, cuida. Certamente, você está na lista das pessoas que adoram um pet e fazem de tudo para que ele esteja sempre bem. Brinquedos, a ração, medicamentos, artigos de higiene, roupinhas, petiscos, camas e casinhas são, além de produtos para pet, as melhores formas de expressar esse amor.

Agora é adquirir os produtos para pet que você ainda não tem, ou renovar o estoque.Seu bicho de estimação vai adorar. Siga nossas páginas no Facebook e Instagram e confira outras dicas sobre o encantado mundo animal.

5 cuidados básicos ao cuidar da saúde do pet que você deve seguir à risca

5-cuidados-basicos-ao-cuidar-da-saude-do-pet-que-voce-deve-seguir-a-risca.jpeg

Quando o assunto é saúde, você já sabe: é preciso alerta total! Visitamos o médico regularmente para exames de rotina, ficamos atentos aos sinais físicas apresentados por nós mesmos e nossa família, e tomamos uma série de cuidados básicos para a manutenção do bem-estar.

Entretanto, você já parou para pensar que nossos bichinhos de estimação também precisam desses cuidados? Isso mesmo! Há uma série de recomendações que devem ser seguidas à risca para que eles se mantenham sempre saudáveis e bem dispostos. No post de hoje, conheça quais são os 5 cuidados básicos ao cuidar da saúde do pet. Continue a leitura!

1. Mantenha a vacinação em dia

O primeiro cuidado essencial para cuidar da saúde do pet é um dos mais falados, mas mesmo assim muitos donos de animais esquecem de colocá-lo em prática. Existe uma série de doenças que podem acometer cães e gatos, mas que podem ser facilmente evitadas com a administração da vacina correta e no tempo certo.

Portanto, é fundamental manter a vacinação do seu animal em dia. Nos cães, as vacinas mais comuns são as polivalentes (tipo V8 e tipo V10), a antirrábica e as de prevenção à gripe canina. Já nossos amigos felinos devem tomar as vacinas V3 e V4.

O que parece ser um alto investimento é, na verdade, um pequeno preço a pagar pela saúde e segurança do pet. A devida vacinação dos animais de estimação é tão importante que, em muitos municípios brasileiros, a vacina contra a raiva é obrigatória por lei.

2. Marque exames periódicos

Assim como os seres humanos, nossos animais de estimação precisam realizar exames periódicos para avaliar seu estado de saúde e identificar doenças precocemente. Um dos mais importantes é o exame de fezes, devido à grande ocorrência de vermes que podem apresentar riscos para a família toda.

As zoonoses, por exemplo, são parasitas que podem ser transmitidos dos bichos para as pessoas. Entre os mais comuns estão o Dipylidium caninum, o Ancylostoma spp. e o Toxocara spp. Fique atento: mesmo que seu pet não saia de casa, ele pode contrair alguns desses parasitas ao se alimentar de alimentos crus, como ovos, carne bovina e suína ou animais mortos. Ele também pode ser contaminado pelos sapatos dos donos!

É somente a partir dos exames que o tratamento adequado, como a vermifugação, poderá ser realizado.

3. Faça a higiene correta do pet

Por mais que ele odeie, manter o banho do seu bichinho de estimação em dia é essencial! É muito mais agradável ter um pet cheirosinho e limpinho e, além disso, a higiene correta é fundamental para a manutenção da saúde do seu amigão.

A tosa, muitas vezes vista apenas como recurso estético, também dificulta a formação de nós em pelos mais longos. Neles, poderia haver acúmulo de sujeira e, consequentemente, a aparição de fungos e bactérias. Use os produtos adequados para o seu pet e fique atento ao período recomendado entre um banho e outro.

4. Preste atenção na alimentação

Há uma série de alimentos cujo consumo não é recomendado para cães e gatos, podendo causar enjoo, irritação, vômitos e até a facilitação do aparecimento de algumas doenças. Portanto, siga sempre as recomendações do seu veterinário e administre a alimentação de forma correta para seu bichinho, levando em consideração suas especificidades e necessidades nutricionais.

5. Cuide da saúde do pet constantemente

Todos os cuidados mencionados acima são fundamentais para a saúde do animal de estimação. Portanto, a última dica é: você deve cuidar da saúde do pet constantemente! Não esqueça de nenhuma informação importante e não deixe nada para depois. Faça o controle da administração das vacinas, leve-o ao veterinário e mantenha seus exames em dia. Não descuide-se da saúde do seu bichinho!

Para ajudar você com isso, hoje, o mercado traz várias opções de sistemas tecnológicos para auxiliar nos cuidados com o animal. Esses sistemas reúnem em um só lugar todas as informações necessárias sobre seu pet, permitindo que você os mantenha sempre felizes e saudáveis!

Agora que você já conhece as recomendações básicas para cuidar da saúde do pet, não deixe de ler também o nosso artigo sobre as 5 doenças mais comuns em cães e gatos!

Alimentos proibidos para gatos que você não conhecia

12 alimentos proibidos para gatos que você não conhecia

12 alimentos proibidos para gatos que você não conhecia

O bom cuidado com os nossos bichinhos de estimação é fator primordial para que eles convivam de forma saudável e por mais tempo conosco. Afinal, não é isso que realmente queremos?

Em relação à alimentação dos felinos, especificamente, muitos alimentos — alguns que, a princípio, parecem ser inofensivos — demonstram ser os piores vilões nesse sentido.

Descubra aqui alguns alimentos proibidos para gatos e esteja certo de fornecer uma alimentação mais saudável e favorável ao seu pet.

1. Alimentos temperados

Os alimentos para humanos têm como principais temperos o alho e a cebola. Embora estes sejam favoráveis à saúde humana, para gatos são bastante prejudiciais, uma vez que contêm substâncias que destroem as células vermelhas do sangue, causando graves anemias.

Além disso, alimentos humanos podem causar diarreias e vômitos em gatos quando ingeridos em maiores quantidades.

2. Rações caninas

Rações caninas oferecem nutrientes em quantidades e variedades específicas para cães. Por isso, alimentar o seu gato com ração canina pode desfavorecer a absorção de proteínas, vitaminas e outros compostos primordiais para a saúde do felino.

A taurina, aminoácido essencial na alimentação felina, por exemplo, não é encontrada na ração canina e sua falta pode levar à cegueira em gatos.

3. Alimentação restrita a rações secas

Gatos costumam ingerir poucas quantidades de líquido. Por isso, rações úmidas são importantes para evitar a desidratação e algumas consequências renais que podem vir a surgir pela falta de água.

4. Leite para gatos adultos

Muito embora a imagem do gato bebendo leite pareça simpática e amigável, o leite e seus derivados são altamente indigestos, podendo causar gases, vômitos e diarreia.

Além disso, a lactase — enzima animal que digere a proteína do leite — torna-se inativa nos animais após alguns meses do nascimento, podendo o excesso de cálcio resultar em problemas renais.

5. Ossos

Gatos que roem ossos podem ter seus intestinos e tratos gastrintestinais perfurados ou lesados. Além disso, por ser um alimento mineral, a ingestão de ossos pode elevar a taxa de sais minerais, como o cálcio, que podem, com o tempo, levar a doenças crônicas renais.

6. Pães e demais carboidratos

Alimentos ricos em carboidratos podem causar obesidade, distúrbios gastrintestinais, dermatites alérgicas, além de outras doenças.

7. Carne crua

Peixes crus podem ser altamente prejudiciais à saúde do gato, pois possuem uma enzima denominada tiaminase, que destrói a vitamina B1, importante para o felino. Além disso, ovos, carne de boi ou porco crus podem hospedar parasitas transmissores de doenças, como a toxoplasmose.

8. Uva

Apesar de acreditarmos que as frutas conferem maior bem-estar também para nossos gatos, a uva, quando ingerida em altas quantidades, pode causar problemas renais nos felinos, não sendo recomendada em sua dieta cotidiana.

9. Azeitona

A grande quantidade de sódio presente na conserva de azeitona pode elevar os níveis do mineral no organismo do seu pet, causando alguns problemas, como hipertensão e doenças renais crônicas.

Gato com pote de comida

10. Café

Estimulantes estão entre os alimentos proibidos para gatos, porque podem ser tóxicos — causando vômitos, diarreia e tremores. Além disso, por acelerar o metabolismo, podem levar à taquicardia, sendo prejudicial para gatos com hipertensão, por exemplo.

11. Chocolate

Assim como o café, o chocolate também é considerado um estimulante e ainda possui um composto, a metilxantina, que estimula o índice cardíaco e causa a perda de fluidos corporais. O chocolate também tem em sua receita outro agente considerado tóxico tanto para cães como para gatos, a teobromina. Ela pode provocar nele tremores, convulsões, aumentar o ritmo cardíaco e até provocar a sua morte.

12. Plantas e flores

É necessário conhecer as plantas que seu gato costuma mastigar, pois algumas podem ser tóxicas, causando mal-estar e levando a doenças mais graves. Algumas delas, como o lírio, a samambaia e o comigo-ninguém-pode são exemplos de alimentos proibidos para gatos, sendo altamente venenosas mesmo em pequenas quantidades.

13. Atum

Muito são os desenhos animados que mostram felinos se alimentando de um bom e gordo atum, não é mesmo? Mas, curiosamente, este é um dos alimentos que podem vir a fazer mal para o seu felino!

Eles podem, sim, comer atum de vez em quando, mas em doses exageradas este peixe pode provocar o envenenamento do animal por mercúrio.

14. Bebidas alcoólicas

Nós sabemos muito bem que ninguém daria bebidas alcoólicas para um animal de estimação, mas gatos são animais astutos, capazes de subir em diferentes lugares. Por conta disso, durante uma festa, por exemplo, alguém pode deixar um copo solto em sua casa, de modo que o seu gato tenha acesso a ele e acabe fazendo a ingestão da bebida.

Nesses casos, é muito recomendado orientar todas as visitas e mantê-las informadas sobre a necessidade de prestar atenção em onde eles deixam bebidas e alimentos proibidos para gatos, certificando, assim, que o seu pet não vai se intoxicar.

15. Balas e doces

Muitos doces, como balas, chicletes e pirulitos são adoçados com a substância xilitol. Gatos não podem ingerir alimentos em que ela esteja presente, pois aumenta a quantidade de insulina no organismo, o que pode desenvolver nele uma insuficiência hepática.

Outro item que pode conter xilitol são as pastas de dente. Portanto, deixe-as guardadas no banheiro e muito bem tampadas.

16. Ovo cru

Nós já explicamos que ovos podem conter parasitas transmissores de doenças e que, por conta disso, não é indicado que o seu gato faça a ingestão desse alimento.

No entanto, existem outros motivos para evitar que o seu gato se alimente de ovo. A proteína avidin faz com que a capacidade do pet de armazenar a vitamina B seja reduzida, o que afeta os pelos e a pele do animal.

17. Abacate

É por conta da toxina persin que o seu gato não pode consumir abacate. Ela afeta intensamente tanto os músculos cardíacos do animal como o seu sistema digestivo.

Caso o seu pet faça a ingestão dessa fruta, observe se ele desenvolve sintomas, como vômito, diarreia, desânimo e dificuldade para respirar. O indicado é que você o leve o quanto antes para o veterinário.

18. Medicamentos

Assim como qualquer outro item tóxico ou perigoso para o seu animal, é imprescindível evitar que o seu gato tenha acesso a medicamentos. Consumir qualquer tipo de remédio pode até mesmo levá-lo a óbito por envenenamento — o ibuprofeno, por exemplo, é completamente tóxico para gatos.

Para evitar que o seu pet seja intoxicado ou venha a ter problemas de saúde, é muito importante ficar de olho na alimentação dele e garantir que ele não se torne obeso ou faça a ingestão de alimentos proibidos para gatos.

Certifique-se de que o seu animal de estimação se alimente de maneira balanceada, fazendo a ingestão de nutrientes necessária para que ele esteja sempre saudável!

Agora que você sabe quais alimentos são proibidos para os gatos, que tal compartilhar este post com seus amigos que também tem esse animalzinho de estimação?

Ração para cachorros ou refeições feitas em casa? Tire sua dúvida!

ração para cachorro ou refeições

ração para cachorro ou refeições

Hoje em dia, a maioria dos donos de pets já reconhece a importância de alimentá-los de forma adequada e que isso afeta diretamente o sistema imunológico deles. Ainda assim, uma dúvida muito comum acerca da alimentação dos cachorros é sobre o tipo de refeição que se deve servir.

De um lado, estão as indústrias, que dizem ter criado um alimento perfeito para eles e, do outro, pessoas que alimentam os cachorros com refeições caseiras e defendem que esta é a melhor opção. Para acabar de vez com suas dúvidas, acompanhe este post!

A ração para cachorros faz bem?

As rações industrializadas são fabricadas com os nutrientes que são necessários para os cães. Um médico veterinário auxilia no momento da elaboração, escolhendo os ingredientes certos para que o alimento seja bem balanceado.

Isso é de extrema importância, já que, assim como os seres humanos, os cachorros também precisam ter uma dieta equilibrada, que satisfaça as necessidades diárias de vitaminas e minerais. A ração para cachorros industrializada também é vantajosa para tutores que não possuam muito tempo para cozinhar. Entretanto, é preciso ressaltar que ela é processada e, por isso, não é tão saudável quanto os alimentos preparados na hora podem ser.

Como preparar uma boa refeição caseira para cachorros?

É importante saber que não estamos falando de sobras de comidas preparadas para seres humanos, afinal, os cachorros possuem um organismo diferente do nosso e existem alguns alimentos que eles não podem consumir, como cebola, café, alho, chocolate e comidas gordurosas.

Esses são só alguns exemplos do que pode fazer mal para o seu pet. É importante ter atenção no momento de escolher os ingredientes para preparar as refeições para ele, pois alimentá-lo mal pode trazer consequências graves e, em casos extremos, até a morte.

Portanto, tenha cuidado, caso resolva preparar as refeições. É necessário fazê-las separadas, com alimentos frescos e se preocupar com os temperos que serão utilizados.

Como escolher de forma consciente?

É possível que você não tenha tempo para planejar o cardápio e ainda preparar o alimento da forma correta. Neste caso, usar a ração para cachorro industrializada é a melhor opção. Isso porque, por mais que ela seja processada, ela não fará tão mal quanto alimentos inadequados.

Mas, se você dispõe de tempo e recursos para preparar as refeições caseiras, com certeza seu cachorro terá uma alimentação mais saudável. Na internet é possível encontrar uma grande quantidade de receitas caseiras para alimentar seu cão, por isso, sempre pesquise um pouco antes de optar pela refeição que servirá para ele.

Quer substituir a ração industrializada por refeições caseiras?

Saiba como fazer isso adequadamente. Antes de começar a preparar a refeição para o seu pet, é preciso saber que os alimentos devem ser inseridos de forma gradual na dieta dele. As alterações súbitas na alimentação dos cachorros podem causar reações gastrointestinais.

Por isso, é recomendado que durante o período de uma semana seja inserido o novo alimento juntamente com o alimento que ele já está acostumado a comer. Aos poucos vá mudando a proporção, aumentando a quantidade do novo alimento, até que a mudança seja feita completamente.

Como você alimenta seu cão? Comente e divida sua experiência!

Nem demais, nem de menos: qual a quantidade de ração ideal para os gatos?

A alimentação correta dos gatos, desde quando são filhotes até a vida adulta, é fundamental para mantê-los saudáveis. Esses animais, essencialmente carnívoros, têm na ração sua principal fonte nutricional. Existem muitos tipos, sabores e marcas no mercado – e quem recomenda o que é melhor para o seu pet é o veterinário, na primeira consulta. Mas o Pataapata adianta: a quantidade de ração a ser dada varia com o peso e a idade do gatinho. Para ajudar, os fabricantes de ração normalmente sugerem a porção ideal nas embalagens do produto.gato comendo

Gatos castrados tendem a ganhar peso mais rápido, pois são mais tranquilos, ficam mais em casa e não fazem muito exercício físico. Por isso, é preciso cuidado com a quantidade e a qualidade da ração, para não deixá-lo ficar muito gordinho. Alimentar bem não significa alimentar demais. Em condições normais, animais de dois quilos devem comer 30 gramas por dia; os de quatro, 65 gramas; e os de seis quilos, cem gramas. O peso do animal deve ser monitorado regularmente, para que a quantidade de alimento seja ajustada conforme necessário.

Quando filhotes, os gatos comem várias vezes ao dia. À medida em que vão crescendo, passam a comer menos – e deve-se reduzir o número de refeições gradativamente. Aliás, qualquer mudança alimentar precisa ser o menos radical possível, sob risco de o animal apresentar quadros de diarreia. O gato adulto (a partir de um ano) se alimenta de uma a duas vezes por dia. Lembre-se que restos de comida, doces e tudo o que não for prescrito pelo veterinário deve ser evitado.

 

Como está a alimentação do seu gato? Comente abaixo!

Alimentação natural: um aliado da saúde canina

Alimentação canina cãoTem bicho que parece gente, né? E, agora, também tem bicho que até come como gente. É o caso de animais cujos donos optaram pela “alimentação natural”, um conjunto de carnes e legumes que, de acordo com a veterinária Rosanna Duarte, pode ser mais saudável que a ração. A base da alimentação natural para cães é formada de carnes vermelhas cruas e legumes cozidos. No entanto, se você está pensando em colocar seu animal nessa dieta, é preciso consultar um especialista. “Dependendo da idade e do peso do animal, ele precisa de alimentos específicos”, aponta a veterinária. Saiba por que:

 

Rações têm mais grãos: Servir ração pode ser mais prático, mas vai contra a dieta ancestral canina e felina: essencialmente carnívora e pobre em carboidratos. “Mesmo rações com sabor de carne são feitas à base de grãos”, destaca a veterinária.

 

Alimentação úmida é natural: Os benefícios da alimentação natural são semelhantes aos de uma dieta saudável em um humano: mais disposição, maior perspectiva de vida e maior imunidade a doenças. Além disso, a alimentação natural é apelidada de “alimentação úmida”, já que seus alimentos são constituídos de, pelos menos, 70% de umidade.

 

Gengivas mais saudáveis: Outra vantagem que faz os cães sorrirem à toa: a alimentação natural deixa os dentes e as gengivas mais saudáveis. Isso porque a dieta tem baixo teor de carboidratos, o que evita que farelos grudem nos dentes e formem tártaro. Fora isso, cães que não mastigam ossos recreativos (aqueles que parecem de plástico) ficam com a dentição fortalecida, e dificilmente acabam com os dentes rachados. E não são só os dentes que ficam mais bonitos. “A pelagem fica mais vibrante, já que a proteína encontrada na dieta natural reduz a queda de pelos”, explica Rosanna.

 

Evite as sobras: Esteja sempre alerta à quantidade e à qualidade da comida que você dará para o seu cão. Evite dar sobras da carne que você come que já estão em processo de apodrecimento, e maneire nas porções. Como a alimentação natural é mais atrativa para os cães, eles sempre vão querer mais e soltar aquele olhar que dono nenhum resiste. Mas cuidado! A obesidade traz diversos perigos para o seu amigo.

 

Já pensou na alimentação natural para seu cão? Prefere ração? Participe desse debate, comente abaixo!