Como deixar o pet em casa sozinho? 7 dicas para começar hoje

Cães observando pela porta

Cães observando pela porta

Descobrir uma forma de deixar o pet em casa sozinho é uma dúvida muito frequente de quem tem um animal de estimação. Seja ele um cão ou um gato, muitos apresentam bastante dificuldade em aceitar a ausência do dono.

Você também está passando por essa situação? Então confira 7 dicas que preparamos neste post para ajudá-lo a lidar com esse problema.

1. Crie este hábito desde cedo

O mais indicado é criar no animal o hábito de ficar sozinho desde cedo, principalmente se você e quem mais morar em sua casa passarem muito tempo na rua.

Uma dica é restringir o espaço que ele vai ter acesso, deixando apenas itens necessários, como brinquedinhos, potes de água e ração e o tapete para fazer as necessidades.

2. Passeie frequentemente com o animal

Essa é uma dica especial para quem tem um cachorro. Para facilitar a adaptação do animal à sua ausência, pratique algum tipo de atividade física com ele, nem que seja dar um passeio toda manhã antes de sair de casa. Dessa forma, ele vai gastar energia e vai ter passado um tempo com você.

Sair com gatos já é mais difícil, mas uma solução para exercitá-lo é investir em uma brincadeira que faça com que ele se movimente e se canse.

3. Garanta que o ambiente esteja seguro

É imprescindível garantir que todos os cômodos da sua casa são seguros se você vai deixar um pet em casa sozinho. Algumas providências são:

  • deixar as portas fechadas ou com algum peso segurando-as, de modo que não se feche e machuque o animal;
  • colocar telas nas janelas;
  • manter objetos e alimentos perigosos longe do alcance do cão ou gato.

Avalie em sua casa qualquer outro tipo de cenário que pode vir a ser perigoso para o seu pet, ok?

4. Proporcione a ele alguma ocupação durante sua ausência

Outra dica muito útil para deixar o pet em casa sozinho é dar a ele brinquedinhos ou objetos específicos que deixarão o animal entretido. Dessa forma, ele não vai se entediar e procurar alguma atividade perigosa ou que chame a sua atenção, como fazer xixi fora do lugar, estragar algum item ou arranhar os móveis — por sinal, ter um arranhador para gatos é muito importante.

5. Mantenha uma rotina

Manter uma rotina é uma dica muito interessante para quem tem um gato, pois são animais que levam um tempo para se acostumar a mudanças. Alimente-o sempre nos mesmos horários, determine um período para brincar com ele e também para fazer a limpeza da caixa de areia. Estabelecer esses costumes vão deixá-lo mais tranquilo e com a sensação de segurança.

6. Evite despedidas demoradas

Fazer longas despedidas provoca no animal a sensação de abandono, o que pode aumentar a ansiedade dele. Portanto, o indicado é deixar o seu lar sem fazer muito alarde, como se essa fosse mais uma atividade rotineira.

Essa orientação também vale para o momento da sua volta. Chegue em sua casa, faça o que deve fazer e, somente então, faça uma festa com o seu cão ou gato. Ele apenas deve associar o carinho a momentos de felicidade.

7. Dê atenção ao pet quando estiver em casa

E se você passa muito tempo na rua, seja estudando ou trabalhando, é mais do que obrigatório dedicar ao seu pet um momento de atenção. Assim, ele saberá que mesmo que o dono fique ausente por algumas horas, quando voltar vão passar um tempo de qualidade juntos.

Conhece alguém que tenha um animal de estimação e que também está tendo dificuldade em deixar o pet em casa sozinho? Então compartilhe este post em suas redes sociais e divida essas informações com outras pessoas!

Meu cachorro destrói tudo! O que faço agora?

Cachorro no sofá

Cachorro no sofá

O seu cachorro destrói tudo o que vê dentro de casa? Saiba que esse é um comportamento normal, principalmente nos primeiros anos de vida do seu pet. Isso acontece, pois ele está reconhecendo o ambiente e os objetos que estão à sua frente. Mas não é por ser algo natural, que você vai ficar de braços cruzados esperando que o seu cãozinho destrua tudo, não é mesmo?

Para auxiliar você a proteger sua casa e seu animal das consequências desse mau comportamento, separamos algumas dicas. Se colocadas em prática, elas podem evitar que o seu cãozinho destrua seus móveis e objetos pessoais e ainda te ajudam a entender um pouco mais o seu filhinho de quatro patas. Confira!

Entenda o motivo do comportamento do seu pet

Não é apenas o instinto natural que faz com que o seu bichinho tenha vontade de morder tudo o que vê pela frente. Existem outros motivos por trás desse comportamento, como: ficar muito tempo sozinho em casa, ficar trancado em um cômodo sem interação com a família e outros animais, não ser levado para passear, tédio, ansiedade e até mesmo o nascimento de novos dentinhos, como acontece com os bebês humanos. Investigando as causas, você vai saber a melhor forma de condicioná-lo a abandonar o hábito de morder seus objetos e móveis.

Leve o cãozinho para passear diariamente

Por mais que o animal tenha vários brinquedos, é importante levá-lo para passear diariamente. O seu cãozinho precisa gastar toda a energia que acumula durante o dia, evitando que ele use essa energia roendo seus móveis. Separe também um tempinho para brincar com seu pet ao ar livre, em um local seguro. Seu cãozinho vai ser muito mas saudável e feliz!

Guarde os objetos que não devem ser mordidos

Na dúvida, sempre é melhor prevenir. Por isso, tire do alcance do animal todos os objetos que podem ser pegos por ele, como chinelos, sapatos, controles de televisão, almofadas e tudo o que atraia o seu cãozinho. Pelo menos até que você saiba controlar o comportamento dele, é melhor não deixar que ele faça mais “vítimas”.

Use sprays específicos nos móveis

Existem no mercado alguns sprays que servem para evitar que o animal morda os móveis. Eles possuem um sabor desagradável para o paladar do cachorro e faz com que eles sejam repelidos quando colocam a boca no local que recebeu o spray. Essa técnica costuma funcionar bem e com o tempo o animal vai passar a associar aquele móvel com o sabor amargo, desistindo de mordê-lo. O ideal é espirrar o produto nos locais alvo do seu pet diariamente.

Chame a atenção, mas sem gritar

Se o seu cachorro estiver mordendo seus móveis e objetos para chamar a sua atenção, gritar não vai resolver o problema. Afinal, quando você está gritando com ele, significa que conseguiu o que queria: a sua atenção. Por isso, quando você o pegar no flagra, chame a sua atenção e deixe claro que o que ele está fazendo é errado, mas tente distrai-lo com outra coisa em vez de gritar e fazer ameaças.

Deixe alguns brinquedos sempre ao alcance do seu cachorro

Essa é uma das dicas mais eficazes. Compre alguns brinquedos que foram feitos para chamar a atenção do animal e satisfazer a sua necessidade de morder. Deixe esses brinquedos espalhados pela casa, principalmente perto dos móveis que ele costuma atacar.

Sempre que você ver o animal mordendo algo que não deve, ofereça um brinquedo. Se você notar que ele está com os dentinhos nascendo, pode deixar um dos brinquedos na geladeira e oferecê-lo geladinho. Isso ajuda a aliviar o incômodo sentido pelo animal.

Agora que você já sabe como controlar o seu cachorro que destrói tudo, siga nossas páginas no facebook e instagram e confira outras dicas relacionadas ao mundo animal!

Seja o líder da matilha

Cão passeando com homem

Cão passeando com homem

Quem tem um animal de estimação sabe muito bem que, por conta do carinho e amor que sentimos, eles são considerados membros da família.

No entanto, apesar da proximidade, é muito importante que eles sejam tratados como animais e não como pessoas. Quando esse limite é ultrapassado, o comportamento e o temperamento do cão pode ser afetado e, consequentemente, é possível que você possa a vir ter problemas no futuro.

No post de hoje, vamos ensiná-lo a ser o líder da matilha e o que deve ser feito para conquistar o respeito do seu cachorro. Confira:

Como ser o líder da matilha?

Para que um cão seja adestrado e consiga aprender truques ou a se comportar, é preciso que um dos membros da família se torne o líder da matilha, ou seja, a pessoa que vai ensiná-lo e, também, repreendê-lo quando for necessário.

Isso, porém, não significa que o escolhido não tenha que dar atenção ao pet — muito pelo contrário. A proximidade entre eles será tanta que além de amá-lo, o seu cachorro vai respeitá-lo e saberá o momento certo para cada coisa.

Para ajudá-lo nessa tarefa, listamos alguns passos básicos que podem ser adotados para educar o cão. O ideal é que você comece a ensiná-lo desde quando ele for um filhote, pois todo o processo pode se mostrar mais eficaz.

Saiba ganhar o respeito

Em qualquer tipo de situação, independentemente de ser com o animal de estimação, não se exige o respeito, ele deve ser conquistado — com o seu cão não vai ser diferente.

Seja firme sempre que for preciso, mas não deixe de dar carinho a ele. Ele deve começar a entender que certas coisas são permitidas, enquanto alguns hábitos ele vai ter que abandonar.

Dê bons exemplos

Ficar provocando o cão ou incentivá-lo a comportamentos agressivos, são atitudes que devem ser evitadas.

E se você tem mais de um cachorro em casa, a regra deve servir para todos. Se um não pode subir no sofá, por exemplo, não seja injusto e permita que outro cão tenha autorização.

Ignore-o, se necessário

Provavelmente, você já passou pela situação em que o cão tenta ganhar a sua atenção pela insistência. Em alguns casos, pode ser mais eficaz ignorá-lo e esperar que ele se canse.

O cão deve aprender que tudo acontecerá de acordo com as suas regras e não conforme a vontade dele.

Ande na frente

O cão deve sentir que você é o guia e não ele. Do contrário, em um passeio, por exemplo, ele ficará puxando a coleira o tempo todo e tentará direcionar para onde você deve ir.

Se o cachorro começar a ir para outra direção, pare imediatamente de andar e dê uma leve puxada na coleira, de modo que ele também pare. Em seguida, comece a andar e tome a dianteira no caminho.

Elogie sempre que for preciso

Para que o seu cão saiba interpretar que teve um bom comportamento, o ideal é que o elogie ou dê algum tipo de gratificação, como petiscos.

Gostou de aprender como ser o líder da matilha e quer mais dicas para cuidar do seu animal de estimação? Então assine agora a nossa newsletter e receba em seu e-mail todas as novidades que postamos!

Veja como introduzir um novo animal na família

Cão e gato juntos

Cão e gato juntos

A chegada em um novo lar pode ser muito difícil para um pet, independentemente dele ser um cão ou gato.

Seja porque ele é um filhote — ainda está acostumado a receber os cuidados da mãe — ou por ser um animal adulto — sendo necessário maior dedicação para educá-lo —, é muito importante seguir algumas dicas para introduzi-lo ao seu lar da melhor forma possível.

Quer trazer um novo animal de estimação para a sua casa e está com dúvidas do que deve fazer para facilitar a adaptação dele? Confira algumas informações úteis que vão descomplicar esse processo!

O que fazer para tornar mais fácil a adaptação de um novo animal em minha casa?

Gatos

Os felinos são animais desconfiados por natureza e que apresentam maior dificuldade para se adaptar a mudanças — não importando a idade dele.

Separe um ambiente da sua casa para o novo membro da família, para que ele se sinta acolhido e confortável. É ideal também que você tenha caminhas, potes de água e ração e caixas de areia separados para cada pet, ok? Assim, você evita brigas e disputas.

Tenha a certeza de que a sua casa está segura o suficiente para recebê-lo, com telas nas janelas e objetos perigosos longe do alcance.

Cães

Um cão filhote pode chorar nos primeiros dias na casa nova, mas isso vai passar quando ele se acostumar. Uma dica é colocar uma garrafa pet com água morna ao lado dele na hora de dormir, assim ele sentirá como se ainda estivesse ao lado da mãe.

Assim como os gatos, você deve separar um espaço para ele, com potes de água e ração, caminha e o local em que ele vai fazer as necessidades.

Como interagir o novo animal com outros pets e crianças?

Seja o seu pet um cão ou gato, antes de mais nada, é muito importante observar qual é o temperamento dele, pois isso influenciará de maneira direta na adaptação deles.

Gatos

Para tornar essa transição mais tranquila, é imprescindível ter certos cuidados, tanto com o novo morador quanto com o que você já tiver em casa — em situações extremas, um felino pode até mesmo adoecer com a chegada de um novo animal, por conta do estresse.

Portanto, a apresentação deve ser feita aos poucos. Primeiramente, ao chegar em casa com o novo bichano, deixe-o em um cômodo separado, com água e comida. Dessa forma, ele se acostuma com o espaço e já vai percebendo a movimentação.

Após essa etapa, tente mostrar um animal ao outro, seja em colos de pessoas diferentes ou pela fresta de uma porta, por exemplo. Se você achar adequado, na hora de colocar um de frente para o outro, quando eles vão se farejar e se conhecer melhor, pode usar coleiras específicas para gatos, de modo que você possa interferir caso algo não corra bem.

Esses passos podem ser feitos tanto para receber um novo animal de estimação como para apresentá-lo para os que você já tem em casa.

Cães

Alguns cães podem ser mais introspectivos e apresentarem mais dificuldade para interagir com a nova família, enquanto outros já se sentirão parte da casa assim que botarem os pés nela.

Isso também fará diferença na relação dele com as pessoas. Algumas raças são mais propensas a gostarem de crianças e a conviverem de maneira pacífica com outros animais de estimação.

No entanto, pode acontecer que o novo membro da família como aquele pet que já vive em seu lar há mais tempo, se mostrem um pouco relutantes.

Caso isso aconteça, não desista! Pode levar um tempo maior, mas, aos poucos, é possível fazer com que eles aprendam a dividir o mesmo espaço — mesmo que cada um fique em seu canto por um tempo. O importante é saber respeitar as limitações do pet e ajudá-lo a se habituar.

Gostou dessas dicas para adaptar um novo animal de estimação à rotina da família e quer ficar por dentro de todas as novidades sobre o mundo pet? Então siga as nossas redes sociais! Estamos no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e LinkedIn!

Convivência entre cães e gatos: 5 dicas para viver em harmonia

convivencia-entre-caes-e-gatos-5-dicas-para-viver-em-harmonia.jpeg

Com a crescente oferta de animais para serem adotados e o amor das pessoas pelos bichinhos, faz com que ter apenas um, não seja o suficiente. Além disso, as famílias pequenas, com uma ou duas crianças abre espaço para a maior presença dos animais.

No entanto, é importante estar bem informado e atento sobre os cuidados necessários para conviver em harmonia com os animais de estimação, principalmente quando são de espécies diferentes.

Os cães e gatos são excelentes companheiros, porém possuem características e comportamentos distintos. Neste artigo, você lerá 5 dicas sobre como manter uma boa convivência entre cães e gatos. Confira!

1. Apresentação dos animais ainda filhotes

Quanto mais cedo os animais conhecerem um ao outro, melhor a convivência e o respeito entre eles. Um ou outro sendo filhotes – ou os dois – certamente favorece que eles se adaptem ao ambiente, as pessoas e à eles mesmos.

O cão tem o instinto de reconhecer e marcar território. Um animal novo deve ser aproximado com calma, aos poucos, para que ele aceite e entenda que este não é seu inimigo.

Num primeiro momento, eles irão se cheirar e reconhecer o ambiente. Caso o cão apresente um comportamento agressivo, afaste-os e tente novamente outro dia. É um processo que deve ser feito com muita paciência.

Nos primeiros dias do filhote na casa, procure respeitar o espaço de cada um. O cão considera muito seu alimento, então deixe o cantinho de comida e necessidades fisiológicas reservado para ele. Já o gatinho, precisa da sua caixa de areia no seu espaço.

Aos poucos, quando eles já estiverem entrosados, podem ter mais liberdade para estarem no mesmo espaço. Enquanto estiverem nesse processo de adaptação e aproximação um do outro é importante a presença de um adulto para que não haja qualquer desentendimento entre eles.

2. Atenção e amor na mesma medida aos dois animais

Procure dar a mesma atenção e carinho aos dois. Assim como, a chegada de um irmãozinho mais novo pode causar ciúmes no mais velho, com os bichinhos não é muito diferente. Se o gato é o filhote recém-chegado, o cão mais velho deve receber os mesmos mimos. Só assim ele entenderá que não está perdendo o amor de seus donos com a chegada do novo bichinho.

Também podem ser dadas recompensar em forma de petiscos, uma comida predileta ou até novos brinquedos quando o animal estiver bem comportado ao lado do amigo de quatro patas.

3. Castração para reduzir a agressividade

A castração é uma excelente forma de deixar os animais mais calmos, principalmente no caso de cães machos. Essa técnica reduzirá a agressividade e a agitação, deixando o animal mais receptivo aos outros bichos, inclusive ao gatinho.

Os gatos tendem a ficarem mais caseiros e recolhidos, o que, para aqueles que vivem em apartamento é uma ótima ideia. Eles podem ser cadastrados a partir dos 6 meses. Já os cães, depois de 1 ano ou depois do primeiro cio da fêmea.

A castração também favorece o adestramento e educação do animal canino em casa, como fazer xixi no lugar correto, evitando que os machos fiquem extremamente agitados na rua.

4. Passeios rotineiros

Para o cão passear significa gasto de energia e atenção do dono. A maioria deles adora quando veem qualquer sinal de que vão na rua. Com uma boa frequência de passeios, não só reduz a agitação,como dá atenção que eles precisam.

Se seu bichinho fica muito sozinho em casa, os passeios dão um ar de liberdade e os deixam muito felizes. A probabilidade de eles aceitarem um novo gatinho na casa é muito maior.

5. Dicas de outros donos

Para uma pessoa que sempre conviveu com cachorros em casa, ter gatos pode ser uma experiência nova e diferente. Antes de adquirir o novo bichinho, procure conversar com amigos e vizinhos que possuem gatos, e até aqueles que possuem os dois animais.

Gostou das dicas? Não deixe de visitar no nosso blog e conferir nosso post sobre 5 doenças de cães e gatos que são comuns entre eles!

Adestramento – Entrevista com Leonardo Ogata (Tudo de Cão)

Entrevista adestramento Leonardo Tudo de Cão

Na segunda entrevista, conversamos com Leonardo Ogata, da Tudo de Cão, franquia de adestramento canino. Ele nos conta sua filosofia de trabalho, e dá dicas muito interessantes sobre comportamento canino, e sobre como o comportamento humano interfere no comportamento do cão!

Assista, e não se esqueça de comentar abaixo!

Por quê cachorro come grama?

Por Como Treinar um Cão

Obviamente seu cão não é uma vaca. Mas por qual motivo então gosta de comer grama? Será que está com fome ou está doente? Essas são perguntas que frequentemente os donos de cães se fazem. Conheça aqui os principais mitos e motivos deste hábito canino.

por que cachorro come grama

O seu cachorro costuma comer grama? Já descobriu o porquê? Comente!

Dicas para ter um cão comportado

Por Como Treinar um Cão

Adestramento-de-Cães-ComoTreinarUmCao.com_.br_

Assim como as pessoas, os cães também precisam ser educados para aprender a se comportar corretamente. Ter um cão que fica pedindo comida enquanto você come, late sem parar ou pula nas visitas pode acabar encomodando bastante. Por isso, como dono do cão, você pode ajudá-lo na sua educação. Conheça então os principais elementos para adestrar um cão. Com a devida atenção, você pode tornar o seu cachorro muito mais apto para o bom convívio com as pessoas!

Adestramento de Cães

 

Já aplica as dicas? Seu cão é comportado? Comente!

Adestramento de cães – Entrevista com Gustavo Campelo (Cão Ideal)

Adestramento de cães

Bem-vindo à nossa primeira entrevista do Blog do Pata, em que conversamos com Gustavo Campelo da Cão Ideal, empresa de adestramento de cães. Nesse bate papo o Gustavo falou um pouco sobre os principais problemas de comportamento, erros cometidos, e dicas sobre como adestrar seu bichinho.

Assista! E não deixe de comentar abaixo!

Como ensinar seu cão a fazer xixi no lugar certo

Um dos maiores problemas ao ter um cachorro em casa é acostumá-lo a fazer suas necessidades em um local apropriado. Mas com um pouco de disciplina e paciência é possível solucionar esse problema e curtir todas as vantagens de ter um cãozinho.

 

Acidentes acontecem: Cães de até 6 meses ainda não possuem total controle sobre suas necessidades. Portanto, não brigue demais se algum acidente acontecer. Acima dessa idade, é preciso ser rígido quanto a determinar um único lugar para o xixi.

 

Mesmo idosos aprendem: Os mais velhos, inclusive os idosos, são tão capazes de aprender quanto os filhotes. O que pode variar, segundo o adestrador Reginaldo Ribeiro, é o tempo de aprendizado. “Isso se dá porque eles já adquiriram um comportamento pelo qual se sentem recompensados”, explica.

cachorro xixi

Use o xixi como aprendizado: A melhor opção para estimular o cão a urinar no lugar certo é a própria urina. “Produtos industrializados que simulam o xixi podem funcionar com alguns cachorros, mas não é garantido para todos”, alerta. Então, quando seu cachorro urinar no lugar errado, passe jornal em cima e coloque a folha no local onde quer que ele faça suas necessidades. Parece nojento, mas esse simples gesto pode ajudar a evitar que sua casa vire banheiro.

 

Recompense o acerto: Uma série de atitudes é fundamental para ensinar o cachorro. “O uso de recompensas estimula o cão a adquirir e repetir qualquer tipo de comportamento”, recomenda o adestrador. Carinhos, brinquedos, elogios e aperitivos são algumas opções.

 

Não envergonhe o cachorro: Quando o cachorro fizer as necessidades em um local inapropriado, faça-o cheirá-las e diga “não” com firmeza. “Mas a bronca nunca pode ser usada enquanto o cachorro faz suas necessidades no lugar errado”, conta Reginaldo. “Isso porque, assim, ele ficará inibido de fazê-las em frente ao dono, que não terá como recompensá-lo.”

 

Castração ajuda no controle dos machos: A castração é uma opção para os machos que urinam por toda a parte. “O procedimento retira as gônadas, responsáveis pela produção de hormônios sexuais”, explica Reginaldo. Esses hormônios induzem certos comportamentos, tais como a necessidade de demarcar território.

 

Seu cachorrinho faz as necessidades no local correto? Foi difícil de aprender? Comente abaixo!