Resgate de animais: como ajudar os animais abandonados?

Cão e gato deitados

Cão e gato deitados

Infelizmente, é comum encontrarmos cães e gatos abandonados nas ruas das cidades. No entanto, essa situação tem se tornado mais grave do que a gente imagina. Para você ter ideia, de acordo com a Organização Mundial de Saúde são mais de 30 milhões de animais vivendo nas ruas do Brasil — 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães.

Diante dessa situação recorrente e que tem tomado proporções cada vez maiores, você já deve ter se perguntado mais de uma vez sobre o que pode fazer para ajudar no resgate de animais, não é mesmo?

Foi pensando nisso que produzimos este post. Nele, vamos explicar o que deve ser feito durante o resgate de animais e quais cuidados devem ser tomados. Confira:

O que fazer durante o resgate de animais?

Por estar na rua, o pet, provavelmente, estará bastante assustado e acuado. Portanto, o ideal é que você se aproxime com cuidado e vá conquistando a confiança dele aos poucos — no próximo tópico vamos explicar alguns cuidados que devem ser tomados ao pegar o animal.

Você pode, por exemplo, colocar um pote de ração à vista do pet e permitir que ele vá se aproximando por conta própria. Veja qual é a reação dele quando você chega mais perto e evite movimentos bruscos. Se for uma mãe com filhotes, por exemplo, ela pode estar com uma postura mais defensiva e todo cuidado é pouco.

Além disso, é importante checar se ele tem alguma identificação, pois, assim, você poderá entrar em contato com os donos e avisar que o encontrou.

Quais cuidados devem ser tomados?

Conquistou a confiança do cão ou gato de rua? O primeiro passo é observar a situação do animal. Ele aparenta estar machucado? Com feridas, pulgas ou carrapatos? Evite entrar em contato direto com ele, pois você não sabe se ele tem alguma doença ou se o temperamento está afetado por conta de todo estresse que está passando.

O ideal é envolver o animal com uma manta quando for pegá-lo e, se possível, colocar coleira e focinheira. Leve também uma caixa para transportá-lo, pois delimitar o espaço em que está ajudará a diminuir o medo dele.

Caso o animal esteja infestado com pulgas, existe um medicamento, o Capstar, que ajuda a conter a situação depois de 30 minutos da ingestão. Essa pode ser uma medida preventiva interessante.

Em hipótese alguma permita que o pet resgatado entre em contato com outros, caso você já tenha algum. Essa medida vai ser essencial para não permitir o contágio de doenças e parasitas.

Até decidir o que vai ser feito com o cão ou gato resgatado, é importante separar um espaço para ele, com água, ração e um jornal para que faça as necessidades. Além disso, lave sempre muito bem as mãos após qualquer tipo de contato com ele.

Se possível, leve o animal resgatado até uma clínica veterinária, essa ação é necessária para garantir que está tudo bem. Certamente, o profissional vai fazer alguns exames, indicar a vermifugação e, depois de garantir que a saúde dele está em dia, vaciná-lo. Considerar a possibilidade de castrá-lo também vai ser imprescindível.

Sabemos que todas essas medidas vão custar uma boa quantia. Nossa sugestão é que você faça uma campanha pedindo a ajuda de amigos, entre em contato com ONGs de proteção animal ou procure por hospitais veterinários gratuitos.

Não posso ficar com ele. E agora?

Por melhor que seja a sua intenção, nem sempre é possível ficar com o pet resgatado. Nesses casos, o ideal é entrar em contato com diferentes ONGs que recebem animais abandonados e verificar se elas podem recebê-lo.

Além disso, divulgue em suas redes sociais que esse animalzinho está precisando urgentemente de um novo lar. Peça também aos seus amigos para ajudar na divulgação, pois, assim, mais gente ficará por dentro da situação.

No entanto, não o entregue para a primeira pessoa que surgir. É importante reforçar a necessidade da adoção responsável, na qual temos certeza de que o futuro dono do animal vai cuidar bem dele, dando muito carinho e amor e garantindo o seu bem-estar.

É indicado que você vá até a casa da pessoa que vai adotá-lo e verifique se é um ambiente propício para que o pet viva bem. Para garantir que tudo corra bem, indicamos que você crie um termo de adoção, no qual a pessoa que vai ficar com ele se compromete a tomar algumas medidas — você encontra vários modelos na internet.

Já passou por alguma situação em que participou do resgate de animais? Tem alguma dica para compartilhar com a gente sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

Cachorro seguro em casa: como tornar o ambiente seguro para o pet

Cão com criança

Cão com criança

Está pensando em ter um cachorro em casa? Pois saiba que não basta buscar o pet e levá-lo para o seu lar. Antes de mais nada, vai ser essencial tomar alguns cuidados e certificar se todos os espaços estão devidamente preparados e são seguros para recebê-los.

Foi pensando em quem está passando por esse tipo de situação, como você, que preparamos este post. Nele, listamos algumas dicas que, certamente, tornarão a sua casa um local em que o seu cão estará devidamente protegido. Confira:

Dicas de segurança para quem tem cachorro em casa

Confira se todos os cômodos da casa estão seguros

O primeiro passo é conferir quais perigos cada cômodo do seu lar pode oferecer para o cão. Gavetas se abrem com facilidade? É necessário comprar travas para as portas? O que fazer na cozinha para evitar que ele se aproxime do fogão quando ele estiver quente? A garagem tem algum item que possa vir a machucá-lo?

Essas e tantas outras questões devem ser solucionadas antes que o animal de estimação chegue em sua casa;

Nunca deixe objetos perigosos ao alcance do pet

Assim que um pet passa a habitar o nosso lar é preciso mudar alguns hábitos. Observar se itens perigosos estão com fácil acesso é um deles. É muito importante ter certeza de que objetos pequenos, tóxicos ou cortantes fiquem guardados em locais com tranca, de modo a dificultar que o seu cão os encontre.

Essa dica serve até mesmo para quem tem rede em casa. Em um momento que ninguém estiver prestando atenção nele, como de madrugada, ele pode sentir a curiosidade de entrar nela e, por não conseguir sair, acabar sufocando.

Não permita que o cão fique sozinho em uma piscina

A piscina oferece muitos perigos tanto para humanos quanto para os pets. Não é porque existe o “nado cachorrinho” que todo cão domina a habilidade de nadar. Por conta disso, é imprescindível ficar de olho quando o seu cão estiver em uma piscina ou tomar as ações necessárias para evitar que ele consiga entrar em momentos que não tem alguém por perto — uma dica é colocar uma capa resistente para tampar a piscina.

Além disso, cachorros com nariz achatado, como o Pug ou o Buldogue, podem não conseguir respirar enquanto nadam e, assim, afogar.

Coloque telas em todas as janelas

Essa dica costuma ser mais indicada para donos de gatos, mas também é bastante importante para quem tem um cachorro como animal de estimação, principalmente para quem mora em andares mais altos e com varanda.

Alguns cães podem se sentir atraídos por uma ave, por exemplo, e serem capazes de dar pulos altos e de longa distância. Por isso, não custa nada tomar esse tipo de precaução.

Tenha atenção redobrada com o que ele pode ingerir

Além de objetos pequenos, tóxicos e cortantes, que já mencionamos, redobrar a atenção com o que ele pode ingerir é mais do que indicado. Cuidado com os alimentos que são proibidos e também com os remédios, que podem intoxicá-los. Itens de limpeza e de cuidados com a higiene também devem ficar muito bem guardados.

Saiba quais plantas são tóxicas para animais

Se você tem plantas em casa, é muito importante saber quais podem envenenar o seu animal de estimação. Dessa forma, caso ele tenha a curiosidade de mexer nelas, não estará correndo perigo.

Garanta que ele não passe frio ou muito calor

Ter a certeza de que o seu animal de estimação não vai passar frio ou calor é outro cuidado que deve entrar na lista de cuidados de quem tem cachorro em casa. Verifique se o local em que ele vai passar a maior parte do dia proporciona uma temperatura agradável. O mais indicado é um ambiente que tenha momentos de sombra e, também, de sol.

Além disso, não deixe a vasilha de água exposta ao sol ou a caminha em um local que tenha corrente de vento.

Já conhecia todas essas dicas para quem tem cachorro em casa conseguir tornar o ambiente mais seguro? Que tal, então, assinar a nossa newsletter? Assim, você vai receber em sua caixa de e-mail todos os conteúdos que publicamos no blog!

Quem ama, protege: redes na janela evitam que seu gato caia ou fuja

gato janelaCuriosidade e agilidade são duas das mais marcantes características dos gatos. Não fossem elas, talvez os felinos domésticos não tivessem o charme que têm. Mas esses mesmos traços de personalidade podem pô-lo em risco. Principalmente se o proprietário mora em apartamento. Por ter o instinto de caça apurado, basta que o gato se empolgue com uma borboleta que, da altura que for, ele pode se atirar. Quase sempre caem em pé, mas isso não os exime da possibilidade de se machucar – e feio. Por isso, as telas são uma ótima opção para oferecer segurança ao seu animal. Além disso, impedem-no de fugir.

Gatos gostam de relaxar, ficar sob o sol, observar o movimento. Grades não são suficientes (normalmente, eles conseguem escapulir por entre elas). É preciso telar janelas e varandas com redes de tramas miúdas, tanto para evitar a fuga em áreas térreas quanto para impedir a queda em andares mais altos. Isso vai comprometer a estética da sua casa? Pode até ser, mas vai garantir a segurança do seu bichinho de estimação. Não é prisão, é cuidado.

 

Todo cuidado não é pouco

Você tem gato há anos e ele nunca fugiu ou caiu? Sorte. Eventualmente, isso pode acontecer. Instale telas até mesmo nos locais a que o animal habitualmente não tem acesso – vá que um dia você esqueça uma porta aberta.

As telas podem ser fixas (feitas de nylon ou polietileno, são resistentes e ideais para janelas de apartamentos ou sobrados) ou removíveis (uma espécie de “mosquiteiro”, solução para janelas basculantes ou com grades). É recomendado também aumentar, com telas, a altura dos muros do seu quintal, não só para evitar que seu gato fuja, mas também impedir a entrada de outros animais, que podem ocasionar cruzas inesperadas e transmissão de doenças. Se não quiser instalar as redes em toda a extensão do seu pátio, construir um gatil – atentando ao vão entre as grades e à proteção no teto – é outra opção.

Existem muitas empresas que prestam serviço de telamento. A maioria delas aceita fazer orçamento, sem compromisso. Consulte mais de uma para comparar o custo-benefício, pois o preço do metro quadrado pode variar. Ao acertar a instalação, é bom explicar ao técnico que as telas são para gatos. As tramas não devem ultrapassar os cinco centímetros e a rede deve ficar bem esticada, com os ganchos bem próximos uns dos outros. Depois de prontas, verifique essas condições pelo menos uma vez por mês.

 

E você, já instalou telas para proteger seu gato? Te deixou mais tranquilo(a)? Conte-nos abaixo, comente!